Igreja do Nazareno
em Boa Viagem

Av. Visconde Jequitinhonha, 2285
Boa Viagem – Recife – PE – Brasil
CEP 51030-021 Fone: (81) 3463.8759

Nosso propósito é proclamar o evangelho no poder do Espírito Santo, levando pessoas
a Cristo para que sejam salvas, santificadas, curadas e libertas, gerando famílias fortes
e restauradas, edificando assim uma igreja santa, adoradora, acolhedora, alegre,
evangelística e missionária.

O choro pode durar uma noite;


“Tornaste o meu pranto em regozijo, tiraste o meu cilicio, e me cingiste de alegria. ”
(Salmo 30:11)

Consideremos alguns dos caminhos usados por Deus para transformar nosso caráter. Mas se buscássemos conhecer todos os Seus caminhos, somente perceberíamos quão pequeno é o nosso conhecimento dEle e dos caminhos que prepara para nós. Aquela perspectiva romântica de que a vida espiritual é um “mar de rosas” precisa ser superada. É importante amadurecer. Por incrível que pareça, as tribulações e as aflições da alma devem nos aproximar e não nos afastar de Deus. Aqui é que muitos negligenciam e desperdiçam oportunidades de experimentar o poder da oração.

“Está alguém aflito entre vós? Ore.” Deixar de orar mediante as aflições é um erro. A negligência da oração abre a porta para a murmuração. Murmuração é um pacto com a derrota. Esse foi o pecado que condenou toda uma geração de Israel a perecer no deserto. Aflições funcionam como um chamado para dependermos de Deus. Mediante as aflições temos a grande oportunidade de crucificar a justiça própria, a autopiedade e outras sutilezas do ego, para levar-nos a uma vida plena com Cristo. Disso emerge o verdadeiro Cristão. A cruz é a ferramenta que esculpe o caráter. A aflição, quando crucificada, exercita a fé, fortalece o espírito e produz comunhão e orações altamente eficazes.

Cristo, o nosso Senhor, varão experimentado em dores inclui as aflições: ”Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenham paz. No mundo tereis aflições; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (Jo 16:33). Bom ânimo e paz coexistindo com as aflições credibiliza a obra de Jesus e a real possibilidade de uma intervenção divina. Esse exercício de fé e piedade transforma o Caráter, constrói a vitória e produz um crescimento qualitativo.

A realidade do pecado no mundo é muito cruel; no entanto, o crente tem de lembrar que o consolo vem de Deus e não de si mesmo, e fazer isso tudo em um espírito de oração e dependência, ou, caso contrário, irá cair. Ninguém precisa continuar aflito. É imperativo orar. Ore! Em breve, haverá um ambiente de gratidão e louvor. É como o apóstolo Thiago prossegue: “Está alguém contente? Cante louvores”. Está alguém triste? Ore.” A oração liga a aflição ao contentamento. Esta é a rota da vitória: Aflição, oração, contentamento e louvor.

O salmista garante: “O choro pode durar uma noite; pela manhã, porém, vem o cântico de júbilo”(salmos 30:5). Quando a aflição não termina e o choro persiste deprimindo a vida é sintoma que, de alguma forma, estamos fracassando no nosso relacionamento com Deus.

É possível vivenciar os ensinos de Jesus. Evidentemente, não parece tão simples como estamos expondo. O próprio Jesus passou por momentos cruciais em que precisou orar.

Pr. Rolando Sotto